Anestesiologia

Chefe do Departamento de Anestesiologia/FCM 
Profa. Dra. Glória Maria Braga Potério

  Corpo clínico
 
Serviço de Anestesiologia do HC atende em caráter integral (24 horas) os encaminhamentos de pacientes que necessitem de assistência anestésica agendados ou de emergência. O anestesiologista, além do conhecimento e da especialização médica, emprega toda sua perícia e experiência clínica para o sucesso completo da operação a que você está se submetendo.
 
A Anestesiologia é a especialidade médica voltada ao controle da dor aguda ou crônica e que mantém as condições vitais do paciente durante o ato cirúrgico, após o qual promove sua recuperação. Utiliza-se de anestésicos locais e gerais injetáveis e/ou inalatórios (gás anestésico). A área de atuação da anestesiologia no HC se divide entre o CC Geral, CC ambulatorial e procedimentos especializados como o setor de tomografia com pacientes sob anestesia.
 
Anestesia é o estado de total ausência de dor e outras sensações durante uma operação, exame diagnóstico ou curativo. Ela pode ser geral, isto é, para o corpo todo; ou parcial, também chamada regional, quando apenas uma região do corpo é anestesiada. Sob o efeito de uma anestesia geral, você dorme. Com anestesia regional você pode ficar dormindo ou acordado, conforme a conveniência, embora parte de seu corpo fique anestesiada.
 
Novas drogas e equipamentos modernos, muitos anos de estudos e pesquisas reduziram imensamente os acidentes ou complicações de uma anestesia. Com medicamentos, instrumental, novos monitores e técnicas modernas, a anestesiologia do HC reduz ao máximo os riscos de acidentes anestésicos, mas é claro que eles nunca chegam a zero, uma vez que há fatores de risco algumas vezes imponderáveis ligados não só à anestesia, como à própria operação, às condições hospitalares, à condição clínica do paciente, etc.
 
Os Anestesiologistas são médicos com especialização e treinamento, responsáveis pela avaliação do paciente, escolha da técnica anestésica adequada, administração da anestesia, vigilância e manutenção dos sinais vitais (respiração, circulação e outros) e recuperação dos efeitos da anestesia. O anestesiologista possui conhecimentos fundamentais para a avaliação pré-anestésica, transplantes, medicina de pacientes graves (UTI) e poli-traumatizados, reanimação, controle da dor pós-operatória e da dor crônica.
 
As anestesias podem ser ser geral, isto é, para o corpo todo; ou parcial, também chamada de regional, quando apenas uma região do corpo é anestesiada. Sob o efeito de uma anestesia geral, o paciente dorme. Com anestesia regional, a pessoa pode ficar dormindo ou acordada, conforme a conveniência. A anestesia geral pode ser aplicada na veia ou por inalação, ela permite que o paciente fique totalmente inconsciente durante a cirurgia. Chamamos anestesia regional várias técnicas diferentes de aplicação de um anestésico local com o objetivo de abolir a dor em parte do corpo. Como por exemplo, a anestesia de cesariana que pode ser a peridural ou raquidiana. Já para cirurgias de membro superior optamos pelo bloqueio de plexo braquial, para cirurgias oftalmológicas usa-se a peribulbar e etc.
 
Nas cirurgias com anestesia geral, o avanço tecnológico e farmacêutico, permite hoje ao médico anestesista proporcionar ao paciente uma anestesia que dure o mesmo tempo da cirurgia, sendo então possível que o paciente acorde no final da operação. Nas técnicas regionais, na maior parte das vezes é desejável um efeito residual, e assim a parte do corpo submetida à cirurgia permanece anestesiado por um período variável do pós-operatório, proporcionando ao paciente ausência de dor por um período mais prolongado.
 
Para a maior segurança dos pacientes, o HC conta com equipes e equipamentos próprios para emergências e cuidados críticos, o que reduz ainda mais os riscos de acidentes graves.
Orientações sobre a Anestesia 
 
Para um atendimento seguro e de ótima qualidade, o HC esclarece alguns aspectos do procedimento:
 
1 – O objetivo da anestesia é criar um estado em que haja total ausência de dor durante um ato operatório, exame ou curativo. A anestesia pode ser geral, na qual o paciente dorme durante todo o procedimento, ou regional, na qual apenas uma parte do corpo é anestesiada, podendo o paciente dormir ou não.
 
2 – Atualmente, os riscos relacionados aos procedimentos anestésicos são muito raros em conseqüência dos novos medicamentos disponíveis, às modernas técnicas de monitorização e à melhor qualificação dos anestesiologistas.
 
3 – Ao internar-se, um anestesiologista o entrevistará e acompanhará seu estado de saúde atual e passado (prontuário), além de esclarecer todas as dúvidas. Após o procedimento anestésico, normalmente o paciente é encaminhado à Sala de Recuperação Pós-Anestésica, anexa ao Centro Cirúrgico. Casos de maior complexidade são encaminhados à UTI para uma assistência médica e de enfermagem mais intensa.
 
Saiba mais sobre anestesiologia no site http://www.sba.com.br/